A água

Na cadeia de valor do malte, a água é um tema de impacto ambiental dividido em três fases: Durante a crescimento da cevada, que é a matéria prima do malte; durante a transformação das sementes de cevada em malte na fábrica de malte; no final do processo, quando as águas residuais são tratadas. A Malteurop procura minimizar o seu impacto ambiental na água durante estas três fases, tendo em conta a diversidade dos contextos hídricos e geo-climáticos das suas implantações no mundo.

A água e a cultura das cevadas

A nível da cultura das cevadas, é necessário ter em conta a variedade dos terrenos, o estado hídrico dos solos, do clima e das necessidades da planta.

Na sua política de aprovisionamento, a Malteurop privilegia sistematicamente os cereais não irrigados: 95% das cevadas tratadas pela Malteurop provêm de culturas não irrigadas.

A nível varietal, a Malteurop desenvolve ou selecciona novas variedades de cevadas brassícolas geneticamente adaptadas às condições climáticas e à sua evolução em cada zona de cultura. Por exemplo, em Espanha e Portugal, região exposta a uma seca crescente, o objectivo é ter uma cevada muito precoce que reduza o ciclo de crescimento e assim, a exposição à seca. Na Rússia, Ucrânia, norte dos Estados Unidos e Canadá, em que o clima é continental, a planta deve ser capaz de resistir a riscos grandes relativos à chuva e a variações de temperatura frequentemente de grande amplitude.

Poupar água durante o processo de fabrico de malte

No processo industrial, são necessárias grandes quantidade de água para transformar os cereais em malte durante fases de humedecimento e germinação. Durante o humedecimento, a semente é imersa ou borrifada. Durante a germinação, a semente é mantida numa atmosfera húmida.

A Malteurop, que utiliza actualmente 8,3 milhões de M3 de água por ano, optimiza a gestão do processo, em especial estabelecendo diagramas de medição para optimizar os volumes e os percursos de água nas suas fábricas de malte. Os diagramas de humedecimento são modelizados, de modo a ajustar com precisão em cada fábrica de malte as quantidades de água necessárias, de acordo com as necessidades de humidificação do malte e de saturação do ar.

Durante o humedecimento, a cevada é misturada com a água em cubas. A Malteurop utiliza cubas criadas e patenteadas pelo Grupo, que permitem reduzir substancialmente o consumo e desperdício de água em relação às cubas tradicionais.

De modo a optimizar a quantidade de água utilizada durante a fase de germinação, a Malteurop colocou em funcionamento um vaporizador de água que permite manter a humidade constante necessária para a germinação. Este novo dispositivo permite evitar os fenómenos de condensação, poupando assim água. Este deveria ser generalizado a todas as fábricas de malte do Grupo Malteurop.

Tratar as águas residuais

Para restituir uma água limpa após o processo, todas as águas residuais são novamente tratadas em estações de depuração, respeitando as legislações relativas às águas residuais, reduzindo assim bastante a emissão de efluentes. A capacidade directa ou indirecta global do Grupo em matéria de depuração de águas é de 6,7 milhões de M3. Nenhuma água não tratada é lançada para o meio natural.

As últimas unidades de tratamento de águas residuais implementadas ou em fase de construção no Grupo Malteurop, na China, Espanha e Estados Unidos, funcionam sob o princípio de depuração biológica, alternando as fases aeróbia e anaeróbia, para purificar a flora bacteriana necessária para a depuração das águas residuais. Antecipando o reforço das normas, a Malteurop alargou o espectro de eficácia do tratamento biológico, visto que todas as bactérias são abrangidas.

Para além das normas em vigor, a Malteurop procura aumentar o nível de qualidade das águas residuais e experimenta em várias fábricas de malte um novo dispositivo de medição que controla a turvação da água (o seu grau de opalescência) e, se necessário, se o limite de matérias em suspensão for ultrapassado, redirige automaticamente a água para um tratamento complementar ou para os filtros.

De modo a assegurar uma política global de qualidade homogénea das águas residuais a nível do Grupo, a Malteurop exerce um seguimento centralizado dos boletins de análise da água proveniente das suas filiais. Neste seguimento, as normas francesas draconianas a nível de qualidade das águas residuais servem de referência para a política do Grupo Malteurop.

Finalmente, quando a legislação dos diferentes países onde a Malteurop está implantada o permite, os detritos de depuração são reciclados. Como estes detritos são pouco energéticos, queimá-los não apresenta grande interesse. É mais lógico utilizá-los na agricultura, para a melhoria do solo.