Desenvolvimento durável

Em matéria de desenvolvimento durável, o sentido de responsabilidade está firmemente implantado na Malteurop, devido à origem e accionistas agrícolas do Grupo. O movimento cooperativo cultiva os valores de solidariedade e uma visão a longo prazo.

O sentido de responsabilidade em matéria de desenvolvimento durável provém também da posição de líder da indústria mundial do malte e da implantação internacional do Grupo Malteurop.

Finalmente, a produção de malte e de extractos de malte é uma actividade de transformação de um produto natural proveniente directamente da agricultura, especialmente da cevada. Esta transformação, a maltagem, assenta num processo biológico natural, a germinação da semente. O malte e os seus derivados destinam-se à transformação por parte da indústria agro-alimentar para satisfazer as suas necessidades, que aumentam com o desenvolvimento demográfico e económico do planeta.

A Malteurop identificou claramente os temas de impacto ligados à sua actividade e à sua posição estratégica na cadeia de valor. Assim, as principais implicações de Responsabilidade Social e Ambiental (RSA) onde a empresa age com determinação são:

  • a terra e a agricultura
  • a água
  • a energia
  • a segurança alimentar
  • a segurança no trabalho
  • o desenvolvimento local

A Malteurop contribui para a selecção e desenvolvimento de diferentes variedades de cevada, de acordo com as suas zonas de implementação no mundo. As relações duráveis com os agricultores permitem manter os seus aprovisionamentos, bem como os rendimentos dos agricultores.

Embora a indústria do malte origine poucos resíduos e consuma poucas embalagens, precisa de água e de energia para transformar os cereais em malte. Água para a embeber e germinar. Energia para secar em estufa. Assim, é o consumo de água e de energia que representa as implicações e desafio ambiental mais importante.

No que diz respeito à água, a Malteurop implementou várias acções que necessitam de grandes investimentos. Trata-se:

  • de privilegiar as culturas e variedades de cevadas não irrigadas
  • reduzir o consumo de água durante a transformação da cevada em malte, desenvolvendo processos e equipamentos inovadores
  • assegurar a qualidade da água rejeitada posteriormente.

No domínio energético, a Malteurop procura a eficácia máxima. Esta procura pela eficácia assenta em novos sistemas inteligentes, com base na pesquisa de um mix energético mais adaptado ao contexto local de cada fábrica de malte. Para isso, a Malteurop está muito activa na implementação de soluções inovadoras, em especial na cogeração à base de energias renováveis.

Em relação à pegada de carbono medida do campo à fábrica de cerveja, a maioria das emissões de CO2 tem a sua origem em actividades independentes da própria produção do malte. Estas estão ligadas à cultura de cevada (sementes, adubos, práticas culturais). O segundo factor que contribui para a pegada de carbono é a energia térmica e eléctrica consumida durante o fabrico do malte. O transporte da matéria-prima cevada para os silos e fábricas de malte e depois o encaminhamento do malte para as fábricas de cerveja e destilarias é um baixo factor de emissões.

Fornecedor da indústria agro-alimentar de um ingrediente que entra no fabrico de vários produtos consumidos pelo homem, a Malteurop é parte importante da cadeia da segurança alimentar.

Deste ponto de vista, o fabrico de malte é uma actividade industrial que necessita de pouca mão-de-obra. No entanto, o processo de produção implica a presença permanente de operadores num ambiente que apresenta riscos: Trabalho 24 sobre 24 horas nas vastas instalações onde são transformados volumes consideráveis de produtos com máquinas de grandes dimensões. A segurança no trabalho é por isso uma prioridade absoluta. Ela concretiza-se com grandes investimentos nas ferramentas industriais, na prevenção e formação de pessoal.

Implantada em 27 instalações industriais em 14 países, a Malteurop está muito comprometida no que diz respeito ao desenvolvimento local por duas razões: Por um lado, o essencial dos volumes de malte é produzido a partir de cereais cultivados perto das fábricas de malte. A matéria-prima agrícola é assim valorizada localmente, em relação directa com os agricultores. Por outro lado, o Grupo escolheu privilegiar os recursos industriais locais para a construção e manutenção das suas unidades de produção.

Finalmente, o facto de ter em conta os contextos geográficos e socioeconómicos muito diversos que o grupo encontra nos 13 países em 4 continentes onde opera necessita de uma abordagem pragmática do desenvolvimento durável. O exemplo serve de linha de condução na implementação de soluções concretas: As iniciativas convincentes e as experiências com sucesso numa filial local são difundidas a todo o Grupo Malteurop. O objectivo é que as boas práticas sejam rapidamente partilhadas.